MÁ CIRCULAÇÃO NAS PERNAS E NOS PÉS: O QUE FAZER PARA EVITAR - Blog Meu Pé de Conforto

MÁ CIRCULAÇÃO NAS PERNAS E NOS PÉS: O QUE FAZER PARA EVITAR

Postado em 17/09/2018

O sangue é distribuído ao longo de todo o corpo devido ao trabalho duro desempenhado pelo coração. No entanto, diversos fatores podem contribuir para a má circulação nas pernas e pés, causando, entre outros males, problema nas articulações dos pés.

Traumas, aterosclerose, sedentarismo, dentre outros são possíveis causas dessa complicação, que costuma manifestar sintomas como dormência, varizes, dor, inchaço, sensibilidade ou pele pálida. Por isso, é importante manter o sangue o fluindo livremente para esses membros.

Pensando nisso, separamos aqui 5 maneiras de evitar a má circulação nas pernas e nos pés. Também esclarecemos como os sapatos ortopédicos podem ajudar a minimizar esse e outros problemas. Mas antes, que tal entender como a má circulação surge? Acompanhe!

O que é a má circulação

Conhecida como doença arterial periférica, a má circulação é um distúrbio na distribuição sanguínea, caracterizado pela dificuldade de o sangue passar pelas veias e artérias. Esse problema surge com o endurecimento delas, o que atrapalha ou mesmo impede a circulação de alcançar os membros inferiores, como pernas e pés.

Como o fluxo sanguíneo fica comprometido, esse estado pode levar a uma série de complicações, inclusive lesões ulceradas que causam dor e até mesmo a amputação do membro. Por isso, é de extrema importância reconhecer e tratar a doença, para que ela não se desenvolva até estágios mais graves.

Embora sua ocorrência seja mais comum em idosos e mulheres — especialmente as grávidas e as que usam anticoncepcional —, a má circulação pode atingir pessoas de qualquer idade e de ambos os sexos. As causas podem ser as mais diversas, como colesterol alto, hipertensão e diabetes.

Problemas na circulação afetam também o fígado, os rins, o coração e até mesmo o cérebro. Portanto, fique sempre alerta aos sintomas.

Por que ela surge

Existe um desgaste natural das artérias que ocorre com o passar do tempo, assim como acontece com todo o organismo. Com esse desgaste, as paredes das artérias começam a acumular gordura, o que pode piorar com a associação de outros problemas — como o colesterol alto, que estreita ainda mais os vasos sanguíneos.

O resultado disso é a já citada alteração da distribuição do sangue em função da passagem parcial ou completamente obstruída. Sendo assim, é importante acompanhar a saúde do corpo em geral, de forma a não agravar o quadro de má circulação.

Além disso, a ingestão de frituras e comidas gordurosas, o vício em cigarros, o sedentarismo e o estresse contribuem para estreitar ainda mais as artérias.

Sintomas da má circulação

O primeiro sintoma da má circulação, e também o mais comum, são as dores nas pernas. Elas atingem principalmente a panturrilha, e podem ser sentidas mais intensamente durante o caminhar.

Isso se explica pelo fato de que, enquanto nos movimentamos, precisamos de nutrientes que são levados pelo sangue até os músculos. Se a circulação sanguínea falha em levar essas substâncias, o organismo se manifesta com dor.

Essa sensação pode piorar com o frio intenso, que ocasiona a vasoconstrição e atrapalha ainda mais o processo do sangue de carregar os nutrientes até seu destino final. Da mesma forma, quando a perna é elevada, a circulação diminui e a dor aumenta.

Ainda outros sinais são associados à má circulação, sendo:

  • coceira nas pernas;
  • manchas vermelhas;
  • pés e tornozelos inchados;
  • sensação de formigamento ou dormência;
  • cor azulada nas regiões com má circulação;
  • queda dos pelos das pernas.

Dicas para evitar a má circulação nas pernas e pés

Quando somos jovens, as veias e artérias são lisas e o sangue consegue correr livremente através delas. Entretanto, como o avanço da idade é um fator que contribui para a má circulação, ela pode afetar qualquer pessoa.

Por isso, é importante cuidar da saúde, adotar algumas medidas e realizar atividades que contribuam para uma circulação eficiente do sangue. Isso ajudará a retardar ao máximo as complicações, bem como ajudará a prevenir algum problema nas articulações dos pés. Veja algumas dicas.

Faça pausas regulares

Uma das principais causas da má circulação está no ato de permanecer em uma mesma posição por períodos prolongados. Assim, se o seu trabalho ou suas atividades diárias requerem que você fique de pé ou sentado por muito tempo, faça pausas regulares.

Dê uma curta caminhada para mover as pernas e os braços, faça alguns pequenos exercícios, aperte suas mãos, rode os pés, enfim, movimente-se. O importante é que esses intervalos sejam feitos várias vezes durante o dia.

Além de diminuir o estresse, você se certifica de que o sangue está chegando a todos os membros de seu corpo. Outra vantagem é trabalhar as áreas que ficam muito paradas e relaxar as sobrecarregadas, evitando problema nas articulações dos pés e todas as outras do corpo.

Evite roupas apertadas

Tente evitar ao máximo o uso de roupas apertadas, que possam restringir o fluxo de sangue. Isso inclui meias muito pequenas, cintos e, principalmente, sapatos que apertam o pé e causam desconforto.

Se você precisa usar um tipo específico de calçado no trabalho, busque alternativas que sigam o modelo — mas que sejam mais folgadas. Use sempre uma numeração agradável e tenha um par extra de sapatos confortáveis, caso seja necessário trocar ao longo do dia.

Essa preocupação é muito importante porque calçados errados, além de causarem problema nas articulações dos pés, também afetam os joelhos e até mesmo o quadril e a coluna. Então, não negligencie essa recomendação.

Powered by Rock Convert

Adote uma alimentação saudável

As pessoas que sofrem com má circulação nas pernas e pés devem ter uma alimentação saudável. É preciso evitar o consumo excessivo de gorduras saturadas e sódio, além de aumentar a ingestão de alimentos que contenham fibras.

Procure acrescentar ao seu cardápio mais cereais, alimentos ricos em vitamina C (como a laranja), os que contêm flavonoides (como o alho) e os de cores vermelhas (como tomate e melancia), que possuem licopeno.

Além disso, é importante beber muita água, tomar quantidades limitadas de chá e café, controlar os níveis de colesterol e ingerir gorduras boas — como as de castanhas, peixes e azeites.

Pratique atividades físicas

Praticar atividades físicas regularmente contribui consideravelmente para a boa circulação. Exercícios como corridas, caminhadas, musculação e os aquáticos (como natação e hidroginástica) devem ser feitos pelo menos 3 vezes na semana, com duração de aproximadamente 1 hora.

A hidroterapia, por exemplo, é uma ótima atividade. A imersão dos membros ora na água aquecida, ora na água fria, estimula a dilatação e a constrição dos vasos, além de fazer com que o sangue tenha melhor fluxo, levando oxigênio e nutrientes para todas as células do organismo.

Mas não se esqueça de que, para cada atividade, é preciso adotar os calçados ideais para evitar problema nas articulações dos pés e impactos negativos para outras. E considere, também, a sua necessidade específica, como o tipo de pisada, para optar pelo melhor calçado.

Massageie suas pernas e pés

Sessões de massagem regulares ajudam a movimentar o sangue em áreas congestionadas. Isso porque os movimentos possibilitam a dilatação dos vasos sanguíneos — o que facilita o fluxo de sangue.

O ideal é que a massagem seja feita usando um óleo específico e com movimentos firmes ao longo das pernas e pés, pelo menos duas vezes por semana. Vale lembrar, ainda, que é interessante direcionar essa movimentação para o coração, promovendo a saída do sangue venoso e o estímulo do fluxo linfático.

Contribuição dos calçados ortopédicos

Você se lembra de que uma das nossas dicas para melhorar a circulação sanguínea falava sobre optar por calçados mais confortáveis? Uma escolha, nesse caso, é investir em modelos ortopédicos, que ajudam a ativar o fluxo de sangue.

Esse tipo de calçado se adequa perfeitamente à anatomia, evitando problema nas articulações dos pés e deixando que o sangue circule livremente, até mesmo nos menores vasos. Tudo isso porque ele não aperta e possui tecnologia que massageia os tecidos, ativando a circulação.

Mas essa não é a única contribuição que os calçados ortopédicos podem trazer para sua saúde e bem-estar, afinal, eles são desenvolvidos para garantir mais qualidade de vida e, por isso, oferecem benefícios, como os listados a seguir.

Melhora na postura

Diversas estruturas do nosso corpo estão envolvidas no processo de caminhar, e é por isso que, quando há problemas com alguma delas, a nossa postura pode ser afetada. Com isso, manifestam-se dores em diferentes partes do corpo.

Os calçados ortopédicos ajudam a reduzir a necessidade de compensar o peso corporal de alguma maneira. Isso porque eles alinham a pisada, deixando os pés mais estáveis no chão e oferecendo uma sensação maior de segurança.

Conforto ao caminhar

Outra função dos calçados ortopédicos é fazer com que o terreno se adapte aos pés, e não o contrário. Por isso, eles são mais confortáveis ao caminhar, já que se encaixam perfeitamente em todas as curvas anatômicas.

O material utilizado, seu acabamento, a largura, o tipo de bico e o salto são projetados para oferecerem total conforto. Então, eles não apertam, não abafam e não machucam os pés, mesmo durante caminhadas longas.

Pisada firme e estável

Existem três diferentes tipos de pisada, que são a pronada, a supinada e a neutra. Cada uma delas exige um tipo de calçado ortopédico diferente para evitar problema nas articulações dos pés e garantir estabilidade ao caminhar, prevenindo lesões e acidentes.

Ao escolher o sapato ideal para a forma como você pisa, seus passos serão muito mais firmes e estáveis. Isso porque o material do calçado e seu design ajudam a compensar as necessidades da anatomia dos pés, mantendo seu alinhamento.

Correção de problemas ortopédicos

A pisada recebe uma classificação de acordo com a região do pé que faz mais pressão no solo quando ele é tocado. Em função disso, ocorre a sobrecarga de estruturas dos membros inferiores por causa da má distribuição do peso.

Os calçados ortopédicos ajudam a equilibrar essa distribuição, corrigindo pequenos problemas. Além disso, contribuem para estacionar problemas que estejam se instalando, evitando a sua progressão e trazendo mais qualidade de vida.

Redução das dores

Como os pés estão mais confortáveis, a pisada é mais firme, o sapato se encaixa perfeitamente e não é necessário compensar o peso corporal, as dores também reduzem significativamente com o uso de calçados ortopédicos.

E não são apenas aquelas que atingem os membros inferiores, mas também as que se refletem para os quadris e as costas. Isso porque, como dito, esse tipo de calçado ajuda a melhorar a postura, e como a circulação é ativada com seu uso, a oxigenação não falta, nem os nutrientes, mantendo a saúde dos tecidos.

A má circulação nas pernas e pés pode ser evitada com a adoção de hábitos simples e mudanças no cotidiano. Com elas, você garante mais saúde para si mesmo, prevenindo complicações maiores e problema nas articulações dos pés por falta de oxigenação e nutrientes. Esperamos que este artigo motive a busca por um estilo de vida mais saudável!

As palmilhas ortopédicas também são uma opção para melhorar a circulação e evitar lesões. Aproveite e veja, neste outro artigo, como escolher a ideal para você.

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert

J.B.F INDÚSTRIA DE CALÇADOS EIRELI - CNPJ: 26.847.557/0001-56 - Rua Coronel Tamarindo, 2817 | Franca-SP | CEP: 14.405-140